Arquivo para maio \29\UTC 2011

Jurassic Cajá

Outro dia estava eu, humildemente, largando um barrão no banheiro dos fundos aqui de casa. O banheiro dos fundos, talvez por ser… bem, dos fundos, nunca recebe muita atenção da minha mãe na hora da limpeza. E quando eu digo “nunca”, eu quero dizer que tem uma teia de aranha lá que permanece intocada desde os tempos de Janis Joplin. Essa situação faz com que, por vezes, o utilizador do sanitário seja surpreendido pelos mais diversos tipo de animais silvestres, que variam desde aranhas enjoadas de comer poeira e decididas a comer seres humanos, a baratas do tamanho da coxa da Valeska.

E não é que mais uma vez eu fui surpreendido por uma besta selvagem? A moça era famosa, aliás. Se não me falha a memória, o último trabalho dela havia sido como Cearadáctilo no filme do Jurassic Park. Mas esse filme é antigo. Ela já havia crescido muito desde então.

Eu e ela, ela e eu. Nós 4. Olho no olho.

Tive a mesma reação que todo homem másculo e ousado teria – saí correndo, com as calças nos tornozelos e os equipamentos balançando. Percebi que havia deixado a porta aberta, o que abria a possibilidade dela fugir do banheiro e se tornar um risco de proporções mundiais. Mas já estava longe demais para voltar, e desarmado nada poderia fazer em caso de um ataque.

Continue lendo ‘Jurassic Cajá’

Diário de Bordo do McFly 3 – parte 2 (final)

Na primeira parte do Diário de Bordo, abordei todas as partes boas da turnê.

O lado ruim da turnê foi justamente a incansável insatisfação dos insaciáveis fãs de McFly. Vamos partir de uma premissa simples – vindo ao Brasil, os Guys visam muito mais a alegria das fãs do que o dinheiro. Posso não ter me formado em economia, mas creio que uma banda que lota o estádio de Wembley durante 3 dias com milhares de fãs pagando o ingresso em Euro, se quiser ganhar dinheiro, não irá perder seu tempo em casas de show relativamente pequenas, como é o caso do Chevrolet Hall, sem nem conseguir lotar e com os fãs pagando em real.

Eles demonstraram, desde o início, total predisposição para tentar agradar ao máximo os fãs. Repetiram os mesmos programas da tão elogiada turnê de 2008, indo ao Faustão e ao Altas Horas. O Faustão não passou o programa no dia que as fãs estipularam que passaria, e isso foi o suficiente para que elas se irritassem.

Continue lendo ‘Diário de Bordo do McFly 3 – parte 2 (final)’

Diário de Bordo do McFly – 3ª vez em terras tupiniquins

Começarei esse diário constatando um fato: O McFly nunca conseguirá fazer uma turnê que transmita a mesma emoção da de 2008. Era a primeira vez no país, com o – na minha opinião – melhor disco recém lançado, tudo corrido, poucos shows, as fãs que presenciaram eram aquelas poucas fãs TRU que davam a vida por eles antes mesmo de ouvirem Fallin’ in Love e eles estavam com cabelos realmente legais.

Partindo dessa premissa, sabemos que a turnê de 2011, tal como a de 2009, apesar de boa, não superou a de 2008.

Mas ela foi realmente boa.

Eu andava, tal como muitos fãs, meio desanimado com o McFly. O Above The Noise foi um chute nas bolas de todos os que se diziam fãs do McFly. Os falsetes na voz do Tom, a praticamente inexistencia de guitarra nas músicas, a batida R&B irritante e as letras vazias contradiziam tudo o que One For The Radio defendia e incorporava nos fãs.

Continue lendo ‘Diário de Bordo do McFly – 3ª vez em terras tupiniquins’

Porra, humanidade. Bora trabaiá.

Há quem dia que Deus fez o mundo em 7 dias. Mas essas pessoas perdem o direito à minha confiança quando dizem acreditar em Deus. No entanto, caso elas estejam certas, Deus era/é um grandissíssimo afobado, que para poder deixar na história que fez o mundo em 7 dias, o deu como pronto cheio de imperfeições. Imperfeições estas que coube a nós, seres humanos, superar.

Imperfeições estas não muito difíceis de se superar (levando em conta que o ser humano teve a brilhante ideia de inventar o implante de silicone, qualquer outra coisa parece mais fácil), mas nenhum homosapiens teve a capacidade necessária para ter a ideia chave de como fazê-lo.

Continue lendo ‘Porra, humanidade. Bora trabaiá.’

Estava eu na Penha, palco de onde há não mais que um ano ocorreu uma guerra, esperando meu humilde transporte. O busão passa correndo, faço sinal e o homem dá uma pequena freiada, abre a porta e grita “ENTRA!”, sem nem parar o carro. Dou um shoryuken para dentro do automóvel e o homem já mete o pé no acelerador de novo, sem nem ao menos fechar a porta.

“Amigo, esse busão passa em…”
“SIM, PASSA”
“você nem ouviu”
” CAXIAS PASSA SIM”
“hein??”
“ENTRA”

Já com o cu na mão, sento no busão e espero que o Destino não resolva me foder mais uma vez. O cara, legítimo flamenguista, passa nas ruas da Penha totalmente sem freio, deixando a vida de centenas de velhinhas em risco. Até que um aventureiro do fundo do ônibus grita “AMIGO, POSSO DESCER AQUI?” e o motorista, sem freiar nem nada, abre a porta. O aventureiro responde “OBRIGADO” e o motorista “DESCE PRIMEIRO, AGRADECE DEPOIS”. O destemido homem pula do busão como se não houvesse amanhã e não tive mais notícias sobre ele.

O motorista segue ultrapassando todos os sinais e promovendo adrenalina nos corações dos moradores da Penha.

Graças a Deus que a porra do ônibus passava na minha casa.

Enquanto eu tiver me fodendo, tá tudo bem.

Eu sou um menino muito humilde. Não que eu goste da humildade, mas a vida me fez aderi-la. Não sei se o mesmo ocorre com todo mundo, talvez até ocorra, mas tenho grandes motivos para acreditar que comigo a coisa é mais forte, afinal, como vocês já devem saber, eu só me fodo nesta merda.

Se eu falo uma coisa, o destino faz todo o possível para que a coisa mude completamente e me contradiga.

Sério. Não é um exagero. Exemplificarei.

Continue lendo ‘Enquanto eu tiver me fodendo, tá tudo bem.’


Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 653,842 visitas