Archive for the 'Uncategorized' Category

Senhores, este blog acabou. Há muito tempo, mas só agora defini.

Criei o blog com 13 anos e alcancei um relativo sucesso com ele, criando uma legião – podemos chamar assim? – de leitores ávidos. A questão é: eu mudei. Eu sou outra pessoa.

Meu jeito de pensar mudou, meu jeito de enxergar a vida mudou, meu jeito de escrever mudou e, principalmente, meu jeito de interpretar isso tudo mudou.

Sei que vocês sempre esperam que eu escreva mais um texto do Almeida se fodendo, mas essas coisas não acontecem mais na minha vida – e, quando acontecem, eu as interpreto de outra forma.

Se eu melhorei ou piorei, juro que não sei dizer – mas aconteceu.

Se vocês ainda quiserem saber o que se passa na vida do Almeida, calma, é possível! Escrever é um vício meu, e não ia parar só por que fiquei diferente. Criei um novo blog, com outra cara e outro nome – puta que pariu, quase 20 anos e um blog chamado NERD CALCULISTA? Imagine a cena de vocês falando pra alguém:

“então, eu tenho um blog”
“sério? qual o nome dele?”
“Nerd Calculista”

Eu passei por isso numa entrevista de emprego.

E chegando numa mina.

Meu novo blog agora se chama Estábulo. Olha, tem uma foto mó legal do Louis Garrel em La Belle Persone e tudo. Meio hipster, eu sei, mas desde que eu pensei “wow, devia fazer um banner” pensei nessa foto e nunca me ocorreu mudá-la. Ela foi feita pra ele.

O blog tem página no Facebook e tudo mais.

Se você achá-lo um saco mas quiser me seguir em redes sociais em que eu continuo sendo o Almeida palhaço e odiável de sempre, existe meu twitter e ofacebook.

Todos nós te amamos, Nerd Calculista. Principalmente quando você me fez ganhar dinheiro do adsense.

Mas, igual ao dinheiro, você acabou mais rápido do que todos esperávamos.

E vai fazer falta.

Até mais, e obrigado pelos peixes!

Anúncios

Sobre todas as coisas que decorrem de vinte centavos.


Marcos vibrou – Companheiro, vamos colocar 10 mil pessoas na rua!
Animado, Franklin resolveu exagerar – Que isso! Vamos botar 50 mil!

Já se falava em 70 mil pessoas e muitos aventuravam 100 mil. A Cinelândia estava completamente tomada.
De cima, a visão era a de um espetáculo inédito. As pessoas iam chegando como nos últimos tempos só chegavam ao Maracanã ou aos desfiles de escolas de samba: em grupos alegres, aos poucos, carregando cartazes com palavras de ordem que identificavam os setores – professores, bancários, estudantes, mães, garis, engenheiros, arquitetos, médicos, padres.

(…)Ainda há um clima pesado de apreensão. Tudo corre em ordem, mas nas conversas há um certo medo: será que a polícia não vai mesmo aparecer? Tudo indica que não, mas nunca se sabe.

Papéis picados começam a cair dos edifícios enquanto novas passeatas continuam a chegar à Cinelândia.

Continue lendo ‘Sobre todas as coisas que decorrem de vinte centavos.’

BAAAAM! Isso mesmo!! Um texto novo!!!!!

Olá, amiguinhos.

Como vão os senhores?

Ontem eu tive um dia daqueles que só eu tenho.

Mas comecemos pelo começo.

No terceiro ano, eu estudei português feito um corno. Aliás, acredito que um corno tenha estudado menos português do que eu. Eu fazia tantas questões de português que eu decorei os exemplos até hoje. Posso citar Soneto de Fidelidade a qualquer instante, da mesma forma que posso citar um exemplo de oração subordinada substantiva subjetiva envolvendo a Joelma.

Esse estudo era visando a prova da ufrj, que sempre foi o meu objetivo. A questão é que, pouquíssimos meses antes da ufrj, após mais uma reunião da cúpula internacional de pessoas que gostam de foder o Almeida, decidiu-se que a ufrj aderiria ao enem e não haveria essa prova.

Como qualquer analfabeto sabe – principalmente os analfabetos, aliás -, o enem cobra tanto português quanto astrofísica. Todo o meu árduo estudo me foi tão útil quanto lavar a calçada com baldes d’água – sério, por que vocês fazem isso, caras?

Continue lendo ‘BAAAAM! Isso mesmo!! Um texto novo!!!!!’

Treta no Busão

Nos últimos três dias eu desbravei as fronteiras geográficas do Rio de Janeiro e fui diversas vezes para a Barra da Tijuca – que, para os desavisados, é, na falta da uma palavra melhor, um lugar horroroso. Mas, por algum motivo, o destino me fez ter grandes amizades lá e vez ou outra algum evento ocorre (como o musical em que fui hoje).

A ida para lá é um martírio. O ônibus é cheio, é quente, as pessoas são feias, os lugares são ruins e engarrafados, e ele ainda fica se metendo em um monte de ruazinha até que BUM, tal qual uma ejaculação precoce no dia em que a excitação foi mais alta que o bom senso e vocês não usaram camisinha, o ônibus chega à barra. Eu sempre vou com meu livrinho, minha musiquinha e mal percebo a viagem, mas acredito que para pessoas não-tão-autistas seja um sacrifício.

A volta, por outro lado, costuma ser mais fácil. Volto de noite, quase sem ninguém no ônibus, sem trânsito e a escuridão me impede de ver os transeuntes horrorosos da Freguesia. Ah, a Freguesia. Um rápido adendo sobre a Freguesia – que lugar lindo e charmoso é aquele, amigos. Anteontem o ônibus teve que parar no meio da rua pois um PORCO e um CAVALO estavam atravessando a rua. E foi lá também que entrou a moça que protagonizará a história que se segue.

Continue lendo ‘Treta no Busão’

The Rise and Fall of Belinha

Os maias eram uns troxas mesmo. Não bastando terem sido exterminados pelos espanhóis – pelo amor de deus, quem é que é exterminado pelos espanhóis? -, ainda erraram naquela história do fim do mundo. 2012 não foi o ano do fim do mundo: foi apenas o ano do começo do fim. E digo isso com ciência, pois sou eu que acolho, alimento e dou um lar ao monstro que nos exterminará de tal maneira que nem Goku conseguirá evitar o óbito da humanidade.

o cãoçador de almas

Te falar – eu não gosto de cães. Eles babam, correm, mijam, cagam e babam um pouco mais. Eles são tão interessantes quanto um idoso em coma com o intestino desregulado. Mas este cão, largando mão de táticas negras de hipnose e fofura angariou um certo carinho e afeto deste que vos escreve tão imparcialmente.

Continue lendo ‘The Rise and Fall of Belinha’

Descobri como dominar o mundo.

No início de 2012, logo após assistir a um vídeo desses toscos de autoajuda no youtube, decidi fazer um “quadro dos desejos”. A parada consistia estritamente no que era o nome – você pegava um quadro e escrevia ali todas as coisas que você desejava. O vídeo era uns 20 minutos de um cara com as sobrancelhas estranhamente grandes dando explicações sobre o nosso cérebro ter um dispositivo que atrai aquilo que desejamos assim que definimos o desejo. A partir do momento em que definíssemos uma coisa que queríamos, o cérebro se encarregaria de, mesmo inconsciente, lutar por aquilo.

Eu tava tão desesperado por qualquer ajuda que fosse pra passar no vestibular, que até isso serviu de apoio. Apostei na parada.

Uma vez que seguir a dica de um vídeo de autoajuda era demasiado vexaminoso, preferi manter a empreitada só pra mim. Ao invés de um quadro, que seria visto por todos que entrassem no meu quarto, fiz uma imagem no paint. Pra ~balancear a miticidade~ do quadro, ao invés de apenas escrever o nome das coisas, coloquei imagens.

E, um ano depois, vejam que bacana dos caralhos: consegui tudo o que estava no quadro!

Continue lendo ‘Descobri como dominar o mundo.’

Rapidinhas sobre gente chata pra caralho.

Queria começar dando um aviso a essa rapaziadinha “educada” do Brasil: vocês são chatos pra caralho.

Uma situação em especial me fez chegar a essa conclusão – que eu já havia chegado centenas de outras vezes, afinal, pessoas “educadas” são, na falta de uma palavra mais ofensiva, insuportavelmente escrotas pra caralho.

Vamos supor que vocês são motoristas de ônibus. Seu trabalho é ficar sentado entre 10 a 12 horas (dependendo da quantidade de horas extras que você faz pra pagar o leite da tua quinta filha, a Rosiclaine) andando de um lado pro outro. E então, entra aquela criatura odiosa, politicamente correta e integralmente de bom humor, e lhe profere um sonoro “Bom dia!”. Você se vê na obrigação de responder o bom dia, fingindo um ânimo que não tem, afinal, está há 3 dias sem dormir, emendando hora extra em hora extra nos 4 empregos que não são o suficiente pra pagar a aparelho dentário do terceiro filho do primeiro casamento, o Roberto Carlos (nome dado em homenagem ao jogador, não ao cantor).

Agora imaginem que, em um país boiolinha como é o Brasil, centenas de pessoas diariamente são politicamente corretas babaquinhas metidas a “educadas” e proferem “bom dia” ao motorista. Descartando o fato de que desejar bom dia pra alguém já é babaca por si só – afinal, ninguém ta realmente desejando bom dia pra ninguém, e, ainda que desejasse, não faria a menor diferença -, a pessoa está apenas servindo pra piorar o dia do cara, que terá que juntar todos os resquícios de paciência pra fingir alguma educação respondendo o bom dia da pessoa.

Continue lendo ‘Rapidinhas sobre gente chata pra caralho.’


Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 655,205 visitas