Arquivo de fevereiro \25\UTC 2010

E nasce um monstro.

A partir de agora, eu sou o tipo de menino que você sentiria orgulho de apresentar para os seus pais sob a alcunha de namorado. E sou o menino que eles teriam orgulho de chamar de genro.

Todo bom jovem, ao sentir a catinga de cadernos e livros novos no início do ano promete pra si mesmo e para seus pais que, naquele ano, será um bom aluno. Durante a primeira semana leva a promessa a sério, mas quando a ponta do lápis quebra pela primeira vez, a casa cai e o moleque volta a ser o Sid Vicious.

No ano seguinte, a mesma coisa se repete e ele promete pros pais que “ao contrário do ano passado, levará a promessa a sério e será um bom aluno no ano inteiro”. Mas depois da primeira semana, a promessa já é quebrada novamente. Esse é o ciclo da vida estudantil, também conhecido como ciclo da procrastinação, já explorado numa pérola lírica de minha autoria.

Continue lendo ‘E nasce um monstro.’

E nasce um monstro.

A partir de agora, eu sou o tipo de menino que você sentiria orgulho de apresentar para os seus pais sob a alcunha de namorado. E sou o menino que eles teriam orgulho de chamar de genro.

Todo bom jovem, ao sentir a catinga de cadernos e livros novos no início do ano promete pra si mesmo e para seus pais que, naquele ano, será um bom aluno. Durante a primeira semana leva a promessa a sério, mas quando a ponta do lápis quebra pela primeira vez, a casa cai e o moleque volta a ser o Sid Vicious.

No ano seguinte, a mesma coisa se repete e ele promete pros pais que “ao contrário do ano passado, levará a promessa a sério e será um bom aluno no ano inteiro”. Mas depois da primeira semana, a promessa já é quebrada novamente. Esse é o ciclo da vida estudantil, também conhecido como ciclo da procrastinação, já explorado numa pérola lírica de minha autoria.

Continue lendo ‘E nasce um monstro.’

Arranquei mais dois sisos. Estou morrendo, não dá pra postar no blog morrendo, ok. Enquanto isso, fiquem com a música que eu e o Tio Ives fizemos. Ainda dominaremos o mercado fonográfico.

Inexorável (Porque eu te amo) – Clique aqui para baixar.

Veja bem, gafanhoto.

Algumas regras são impressas no DNA do ser humano quando ele nasce. Essas coisas não precisam ser ditas, nem estudadas. As pessoas simplesmente sabem. Você sabe que não deve peidar na cara da sua namorada. Você sabe que, a partir do momento que você entra no banheiro masculino, independente de quão empolgante possa estar o assunto, você se cala até sair do recinto. No banheiro, o silêncio é primordial para exercer a tarefa de forma adequada.

Na internerd também existem essas regras, mas por ser algo mais atual, a plebe da sociedade que migrou para esse mundo – fenômeno conhecido também como Inclusão Digital – anda meio desinformada sobre tais leis. E, como vocês sabem, Almeida é um missionário sagrado que luta diariamente contra a noobisse alheia, e constantemente tenta trazer os capengas para o lado negro da força. Portanto, vamos para o

Manual de Regras Básicas que Qualquer Idiota Saberia Sobre MSN

Continue lendo ‘Veja bem, gafanhoto.’

Brig Brother Brasil, serious business.

Sabe aquela história do “essa piada é tão sem graça, que eu acabei rindo”? Então, o Big Brother segue a mesma analogia, só que é com um adjetivo diferente – “esse programa é tão escroto, que eu acabo vendo”. Até a época em que eu tinha algum senso de ridículo, quando me perguntavam pra quem eu tava torcendo no Big Brother, eu dizia “pro piloto”. Me perguntavam “que piloto?” e eu respondia “o do avião, pra cair de bico naquela casa” piadinhas powered by Ronald Rios riariariaria

Mas os tempos mudaram e, junto com meus sisos, eu perdi meu juízo. Dei uma chance pra assistir esse tal programa. Afinal, eu queria saber como uma pessoa como essa:

Conviveria com pessoas normais em frente à milhões de telespectadores, 24 horas por dia. Acho que, assim como eu, muitos foram, inocentementes, sugados pro obscuro grupo de audiência do programa graças a esse sentimento de dúvida.

Continue lendo ‘Brig Brother Brasil, serious business.’

Explicações…

Amigos, compatriotas e irmãos filhos de Deus, veio por meio desta vos avisar que o R.I.P. Vida de Guilherme finalmente foi pro saco. Durou apenas 2 semanas, o que foi o suficiente pra chegarmos a 150 mil visitas, mas por divergências pessoais – e com “divergências pessoais” eu quero dizer “preguiça dos demais membros” – vamos deixar o blog pra lá. Permanecerei na minha casinha calculista, como sempre. Essa porra aqui é pra sempre, independente do que ocorrer paralelamente à ele.

Acontece que antes de ter em mãos o atestado de óbito do dito cujo, eu havia feito uma pequena listinha de posts que eu possivelmente poderia postar lá no Vida de Guilherme, por que achei que não combinasse muito com nosso ambiente calculista. Mas… quer saber? Foda-se isso de ambiente, vou postar aqui mesmo.

Continue lendo ‘Explicações…’

[REPOST]Assaltos

[ Maneira de evitar prejuízos durante um roubo ou como NÃO sobreviver a um assalto ]

Encare. Olhe firmemente para o rosto do assaltante. Deixe bem claro que sua intenção é memorizar cada detalhe de sua fisionomia, para depois relatar tudinho ao fazedor-de-retratos-falados na delegacia. Ah, esse safado vai pagar.

Barganhe. Ele quer levar seu celular? Ofereça o relógio, que vale metade do preço do seu Nokia, e dura bem menos. Já tá até com a bateria gasta. Ele pediu sua carteira? Entregue seu tênis, que vale muito menos que a chateação de tirar segunda via dos seus documentos. E você acaba de se lembrar que ainda tem o telefone daquela gata, a Josefina, que você anotou num guardanapo e enfiou no meio das cédulas de um real. E ela é das que trepam no primeiro encontro. A carteira, não.

Ameace. “Você sabe com quem está falando” é uma expressão versátil; serve tanto para o guardinha que tenta te multar, quanto para o seu antagonista – o assaltante que mantém uma arma apontada pra você. “Seu filho da puta, Você ainda vai rodar na minha mão” é igualmente – ou até mais – eficiente.

Dê uma de louco. Fale palavras sem sentido, cante, assobie, tente abraçar o assaltante, dê um beijo na boca dele, sei lá. O importante é fazer com que o meliante acredite piamente que você não vai bem da bola. Se for preciso dar aquele beijo na boca dele, não hesite. Dê. O telefone da Josefina vale o sacrifício. Lembre-se, ela trepa no primeiro encontro!

Se tudo o mais não funcionar, REAJA. Tente agarrar o revólver dele. Dê um tapa na faca do elemento. Cuspa na cara dele e diga que o Timão é uma bosta. Ou o Flamengo. Ou o Botafogo. Sei lá, vá xingando os times até que você acerte o que ele torce. E não esqueça de pisar fundo no acelerador. O que vale é dar motivos de sobra para o cara estourar duas azeitonas na sua testa.

Mas não deixe ele levar o telefone da Josefina.

******

Esse post é velho pra caralho. Eu tava lendo uns posts antigos do HBDia, e como tava sem assunto coloquei esse aqui.


Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 652,552 visitas