O lanterna verde

Eu nunca fui assistir a um jogo de futebol no estádio. Muito disso se deve pelo fato de eu ter começado a me interessar por futebol ano passado (e me mostrei um grandessíssimo pé quente, pois introduzi no fluminense a melhor fase da história do clube). Meu pai, ao ver que o fluminense havia ganhado domingo, me chamou para ir assistir o grandioso tricolor jogar contra o miserável América- MG, o lanterna verde brasileiro.

Aceitei.

O problema é que coube a mim a missão de obter os ingressos, que são vendidos, geralmente, no clube, nos estádios ou em locais verdadeiramente distantes, não que o próprio estádio e o clube também não sejam verdadeiramente distantes.

Obtive as informações e rumei em direção ao local menos distante que vendia os ingressos. Era um clube furreca que tem na Vila da Penha, mais acabado que o clube em que os funkeiros da tua vizinhança vão às noites de sexta por ter promoção de duas cervejas a 3 reais. Chegando lá, vi uma fila escrotamente grande rodeando o clube. Estranhei, afinal, ora porras, quem diabos quereria assistir o jogo contra o América-MG?

Nem os torcedores do América-MG querem assistir o jogo do América-MG.

Entrei na fila. Ouvindo a conversa dos caras na minha frente (é incrível como as pessoas tem a capacidade de arrumar assunto com completos desconhecidos simplesmente por que ambos estão no mesmo recinto), descobri que o jogo tava vendendo tanto que poderia esgotar os ingressos naquele exato instante.

Vá se foder. Eu não saí do Méier pra Vila da Penha pra voltar sem ingresso. Vou obter esse ingresso, ou meu nome não é Guilherme Julio Ricardo Montoya de La Rosa Ramírez de Almeida.

Pensei, pensei, pensei e não consegui pensar em nada. Só me restou esperar na fila mesmo.

Comecei a ficar afoito.

A fila não andava. Tipo, nem um pouco.

Os caras na minha frente continuavam conversando. Tinha um professor chato pra cacete que não parava de contar histórias sobre os jogos que ele já foi, mas não eram histórias emocionantes, e sim histórias completamente triviais e desinteressantes. Os outros caras tentavam mudar de assunto, mas ele ignorava as tentativas. Típico de professor.

Depois de uma hora e meia de espera, era minha vez de comprar o ingresso e entendi o por quê da demora: a mulher era extremamente lerda. Jovem, morena, com uma bunda absurdamente grande, pensei cá com meus botões: ora porras, só pode ser uma funkeira. E não creio que eu estava errado.

A mulher errava a conta do dinheiro, levava vinte minutos pra imprimir um tíquete, não sabia dar informação direito e a bunda dela desconcentrava qualquer um num espaço de 50 metros. As pessoas só não eram grossas com ela justamente pro causa da bunda, já que não se deve ser grosso com pessoas tão bundudas assim. Creio que devia ter algum espelho no escritório que fazia com que ela olhasse para a própria bunda. Isso explicaria o por que dela estar tão distraída.

O cara da minha frente (não o professor, outro) se virou pra mim e falou “ei, só pode comprar 3 ingressos por pessoa, você pode comprar um pra mim?”.

“Hm, isso é ilegal. Posso ser preso por isso. E, tendo em vista meu corpo musculoso e tatuado, seria transformado em menina na prisão. Veja bem, eu não sou um cara bonito, mas para os níveis de beleza da prisão, eu sou quase uma Megan Fox. Saca?  Mas eu sou safado, comprarei do mesmo jeito só pra alimentar meu espírito transgressor” pensei comigo mesmo. Só pensei. Minha reação se resumiu a balançar a cabeça pra cima e pra baixo.

O moço me deu o dinheiro e eu comprei pra ele. Saímos juntos do clube, e ele veio pra mim “ei, você ta indo pra onde?”.

“Err… agora eu tenho curso, fica a uns dois quarteirões naquela direção”

“Pô, eu vou pra lá também, chega aí que eu te dou uma carona.”

Meu cu fechou.

O cara claramente desejava meu corpo para sanar seus desejos sexuais. Olhei pro relógio. Tinha calculado de ficar lá no clube uns 20 minutos e depois ir andando pro curso, mas tinha perdido mais de uma hora e meia e o curso era realmente longe.

“Err… não sei”

“Vamo lá, uma mão lava a outra”

Era fato: ele queria me estuprar. Existe algum estuprador que não use a expressão “uma mão lava a outra”? Creio que não.

De todo modo, aceitei a carona. “Pode me estuprar, mas faça isso rápido por que não quero me atrasar, moço”, pensei. Entrei no carro dele e ele não pos o cinto de segurança. “Meu Deus, este homem é um louco”. Então ele pegou um caminho diferente do que eu conhecia para ir ao curso.

Cacete.

CACETE!!

Acabou que o cara me deu uma carona totalmente inocente e ainda batemos um papo sobre o fluzão.

Mal sabia eu que o pior ainda estava por vir: tive de pegar uma Kombi pra voltar pra casa. Mas essa cena foi deprimente demais, não merece um espaço aqui na casinha calculista.

*****

Quase não uso mais o twitter e não domino muito bem as técnicas facebookísticas de disseminação de informação ainda. Logo, vós missês terão de visitar o blog caso procurem por posts novos. Não poderei mais avisar-vos quando postar.

Anúncios

25 Responses to “O lanterna verde”


  1. 1 Isadora 10/11/2011 às 9:17 pm

    primeira? por mais inútil que seja teu post, nao tem como nao morrer de rir! Voce escreve bem demais, meida

  2. 3 Mariana Cunha 10/11/2011 às 9:19 pm

    MEU CU FECHOU. MORRRRI UHAUHAUHAUHAUHUHAUHA

  3. 4 Ives 10/11/2011 às 9:22 pm

    “Meu Deus, este homem é um louco” euri

  4. 5 @Grasiie 10/11/2011 às 9:23 pm

    PORRA Almeida combi???????? AUSHAEUAHSAUHEAUSHAE Muito bom, como sempre.

  5. 6 Bruna A. 10/11/2011 às 9:24 pm

    Man, não te imagino pegando uma kombi pra voltar pra casa, HSUAHSUHAS

  6. 7 Gabriela 10/11/2011 às 9:34 pm

    é impossível não gostar dos teus posts, meids

  7. 8 raquel 10/11/2011 às 9:39 pm

    caramba.. eu nunca teria pegado carona com um cara desconhecido assim, invejo sua coragem, que poderia ser considerada burrice caso o homem fosse um estuprador..

    também nao consigo te imaginar dentro de uma kombi, kkkk

  8. 9 Cris 10/11/2011 às 9:57 pm

    caramba.. eu nunca teria pegado carona com um cara desconhecido assim, invejo sua coragem, que poderia ser considerada burrice caso o homem fosse um estuprador..
    +1

  9. 10 Natália C 11/11/2011 às 2:51 pm

    KD o respeito pelos torcedores do time rival??? KKKKKKKKKKKK Meu amigo torce pro américa tadinho,acho que ele é o único torcedor do américa que ainda existe em minas hehe

  10. 11 hana 11/11/2011 às 7:05 pm

    kombi é fim de carreira, ein KKKK

  11. 12 Clara 11/11/2011 às 7:35 pm

    MEU CU FECHOU
    pqp

  12. 13 Nicole 11/11/2011 às 7:43 pm

    “Pode me estuprar, mas faça isso rápido por que não quero me atrasar, moço” HAHAHAHA
    isso é que é coragem!
    mas kombi é tenso hein? aposto que daria um post engraçado.. ou não?

  13. 14 lilii kyte 11/11/2011 às 7:52 pm

    Guilherme Julio Ricardo Montoya de La Rosa Ramírez de Almeida? SSUHSUSHSUHSUSHUSHUHS que nome sexy Meids -QQQQ
    “Eu sou quase uma Megan Fox.saca? ” HSUHSUSHUSHUSHSUHS omg O: q
    Nossa, HUSHSUSHUSHSUHSUHSUSH mt coragem para aceitar carona de um desconhecido G_G’

  14. 15 Juliana 11/11/2011 às 9:57 pm

    Aceeitando carona de desconhecidos meeids D=

  15. 16 amanda 12/11/2011 às 9:44 am

    Guilherme Julio Ricardo Montoya de La Rosa Ramírez de Almeida …. MORRENDO .

  16. 17 . 13/11/2011 às 11:06 pm

    cra eu te amo

  17. 18 @leek4 14/11/2011 às 8:35 pm

    eeeeeeeeeeae, como foi o jogo?
    fluzão venceu do lanterna verde?
    quero esse post u.u

  18. 19 Lisa 14/11/2011 às 9:18 pm

    melhor ir andando, é sempre perigoso

  19. 20 fmattosa 16/11/2011 às 1:30 pm

    AHSHSHSHSHSASHSH! morri, Almeida.
    Tenso que, depois do cara do nada querer me dar carona, e derrepente, por mero destino ir pro mesmo lugar que eu, e usar a expressão “uma mão lava a outra”, não usar cinto e não usar o caminho convencional.. Almeida.. eu já teria me jogado do carro e corrido pela minha vida. É.
    AHSAHSHSAH, amei o post, Almeida. Agora entendo o porquê de tu ser tão sofredor: é fluminense.

  20. 21 fmattosa 16/11/2011 às 1:31 pm

    Guilherme Julio Ricardo Montoya de La Rosa Ramírez de Almeida < Quase um Zorro, oh!

  21. 22 carol 16/11/2011 às 8:23 pm

    agora o estuprador já sabe onde você estuda… mantenha seu cu fechado UAHSUAHUA

  22. 23 Rodrigo 18/11/2011 às 4:00 pm

    péquente? kkkkkkk

  23. 24 Vinícius 27/11/2011 às 10:41 am

    ‘Nem os torcedores do América-MG querem assistir o jogo do América-MG’
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk pura verdade

  24. 25 Law 30/11/2011 às 10:50 pm

    Péquente??? nesse jogo o “miseravel” América Mineiro derrotou o tricolor .. kkkk isso vc nao postou.. haha


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 656,572 visitas

%d blogueiros gostam disto: