Sobre religião…

Imagine se tivesse alguém te observando o tempo todo. Nos momentos em que você faz coisas erradas, nos momentos em que você faz boas ações – isto é, se você realmente faz alguma boa ação -, nos momentos em que você faz o que definitivamente não deveria fazer, nos momentos em que se engraça com a menininha do teu amigo, quando se engraça com o rabinho de saia mesmo estando namorando. É, essa pessoa está te observando nesse exato momento.


Se realmente existisse essa pessoa, você pensaria muito bem antes de fazer uma coisa errada. Isto é, se você realmente tivesse a cara de pau de fazer uma coisa errada mesmo sabendo que alguém estaria ciente daquilo e que, num futuro próximo, esta pessoa o castigaria do modo que deve ser feito. Talvez seja pensando nisso que alguém, há muito, muuuuito, e deixe-me esclarecer que foi realmente MUITO tempo atrás, teve a incrível idéia de dizer que existem seres super poderosos, superiores à raça humana que estão – ou está, nas monoteístas – observando cada passo seu. Não, não são os super sayajins. Esses mesmos caras, com um vocabulário não tão vasto, deram um nome pequenininho pra essa “divindade”: Deus.


Pelo menos para mim, essa é a idéia mais acessível ao que milhares de pessoas chamam de “religião”.

Há um bom tempo que eu quero escrever sobre religião. Eu não saberia definir a minha religião. Sou daqueles caras que tá em fase “contra tudo e todos”, que não tem um religião definida. Pego pedaços de várias religiões e monto a minha, se é que eu posso chamar isso de religião. Não acho que haja mesmo um deus super poderoso que vá bater um martelo gigante e me mandar pro inferno caso eu dê uma olhada na bunda da namorada do meu colega – que por um acaso, eu nunca fiz, tá, nathie. Também não acho que exista um lugar obscuro e quente, onde as almas malévolas habitam vulgarmente chamado de inferno.

Eu não acredito nessas coisas, mas não sou bobo o bastante pra ficar difamando o povo que acredita. Sei lá né, vai que na última hora eu vejo que era tudo verdade e que eu to indo pra um julgamento brilhante, onde tudo é gigante e claro, e tem um homem branco de cabelo liso e olhos azuis me encarando como se eu tivesse um abacaxi no pescoço. E do outro lado da sala, tem um cara vermelho, com chifres – ele deve ter sido corno, por isso virou malvado. Ou será que foi por causa dele que dizemos que ser corno é ruim? -, rabo e pele vermelha, segurando um tridente preto pronto pra espetar na minha humilde busanfa. Melhor seria eu ser neutro. E se, para a minha surpresa, o deus a quem eu adorei, idolatrei, ou seja lá como diabos vocês chamam, na verdade não existe? E se aquele deus, aquele que você sempre ignorou e chamou os adoradores de patetas descerebrados, for o real deus? Aláh, Belzebu – ninguém disse que pra ser deus tinha que ser bonzinho -, Judas ou qualquer outro for o verdadeiro “Deus”?

Será que eles aceitariam fazer um pacto de não-agressão com minha humilde pessoa? I don’t think so.

Outro ponto pelo qual eu me baseio ao montar a minha própria religião, é o fato de que as pessoas que já possuem uma religião previamente pronta, como os católicos, judeus e afins, acreditam que algum ser super poderoso DECIDIU criar o mundo. Sabe, tarde de sábado, coçando o saco, mulé cozinhando, deu na cabeça dele de criar o universo. E de repente, criou. ISSO, as pessoas chamam de milagre, de “início”, ou seja lá o que for. Eu chamo de… Big Bang? Ou quem sabe de… é, eu chamo de Big Bang mesmo.

Apesar de que, eu acho a teoria do Big Bang muito falha. Quem criou essa teoria tinha uma mentalidade completamente oposta a quem criou o ato de adorar a criaturas mitológicas. Afinal, o Big Bang diz que tudo aconteceu por que tinha que acontecer. Houve a explosão e o universo apareceu. Enquanto os religiosos preferem adotar a idéia de que alguém fez tudo. Pelo meu ponto de vista, nenhum dos dois tinha a menor idéia do que falar, criou uma teoria porca e saiu gritando aos quatro ventos que aquela era a verdade divina. E por favor, Físicos não venham dizer que Big Bang é confiável e religiosos, não venham dizer que a verdade é Deus. Dispenso esses comentários. A menos que sejam bem formulados, claro. Oposições sempre são bem vindas do momento em que contenham conteúdo. Conter conteúdo soa como uma redundância.


Rezar. Pra que rezar? Pelo que os religiosos pregam, deus é onisciente, tcherto? Se ele sabe de tudo, pra que diabos você precisa pedir alguma coisa? Afinal, ele JÁ SABE o que você vai pedir, JÁ SABE do que você precisa e, muitas das vezes, JÁ SABE que vai te recusar.

Sua religião não prega que deus é onisciente? Então porque você reza para si mesmo? Acha que deus é psíquico?


Oras bolas, são nesses momentos em que você vê as falhas das religiões. De que adianta então, rezar 20 ave marias para si mesmo? Pedir o bem aos outros? Rá, mas se deus já sabe que eles precisam de bem, pra que pedir? É como pedir pra sua professora de matemática aumentar a sua nota: inútel.


É, eu não pretendo analisar as várias passagens duvidosas da bíblia, como as em que “deus” e “diabo” apostam o quão fiel é o infeliz Jó, ou os outros milhares de versículos em que, se você ler com atenção, verá que há uma mensagem gritante de contradição. Por isso, acho que o post acaba por aqui.

Anúncios

10 Responses to “Sobre religião…”


  1. 1 João Vitor 02/11/2008 às 2:29 am

    Dizer que o big bang é invenção é como dizer que o homem nunca pizou na lua, ou seja, shut the fuck up.

    O big bang é BASICAMENTE comprovado, apesar de que, obviamente, ninguém viu o troço ocorrer, é possível ter uma base 99% correta de que ele aconteceu, através de vestígios do inicio do universo, que só estão chegando na terra agora.

    O último passo para se ter CERTEZA ABSOLUTA sobre o big bang é o LHC, que pretende, além de achar o bóson de higgs, recriar o big bang. Sim, eu sei que uma coisa leva a outra.

  2. 2 Almeida 02/11/2008 às 2:30 am

    Ok, quando LHC acontecer a gente conversa. 🙂

  3. 3 João Vitor 02/11/2008 às 2:32 am

    @Almeida
    Mesmo antes do LHC já é muito mais provável que o big bang tenha ocorrido do que não.

    Leve em conta que a segunda teoria da criação do universo e a de que um alienígena resolveu brincar de SimCity. (Não estou brincando. A cientologia DIZ MESMO isso.)

  4. 4 João Vitor 02/11/2008 às 2:33 am

    A propósito, eu quis dizer pisou

  5. 5 Almeida 02/11/2008 às 2:34 am

    @João Vitor

    Só porque uma suposição é ridícula a primeira vira mais aceitável?

  6. 6 João Vitor 02/11/2008 às 2:38 am

    A segunda é mais aceitável porque tem MUITO embasamento científico. Você acredita se eu disser que os caras estudaram DÉCADAS pra chegar a essa conclusão. Não foi uma roda de bar, que depois de falar sobre o jogo de quarta, resolveu falar sobre o início do universo.

    O único ponto que se pode questionar da teoria é sua origem. Porquê a explosão aconteceu é o mistério que o LHC pretende desvendar. Que ela aconteceu É FATO.

  7. 7 Isabelle 25/02/2009 às 2:11 pm

    hm,fui botar água pra ferver pra fazer miojo, saiu um homem correndo e gritando dentro da panela -n, e, se no são joão fico jogando bomba por ae, e, a única coisa que eu vi resultar de uma explosão, foi destruição.

    não acredito em big bang, não acredito que sou descendente do macaco (hm, pelo menos EU tenho certeza que não vim do macaco, se você veio, problema é teu -q).

  8. 8 Katy 27/11/2009 às 11:22 pm

    bells? o-o

  9. 9 Nath 16/05/2010 às 4:19 pm

    =S

    p.s.:Bom post

  10. 10 Anna 31/05/2013 às 3:09 pm

    Bon travail, C’est vraiment bien. Malheureusement, je n’ai pas le temps de lire tes autres articles!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 652,756 visitas

%d blogueiros gostam disto: