Brasil Nunca Mais: De Getúlio Aos Generais

Na última quarta feira, minha professora de história organizou uma ida ao Norte Shopping para vermos uma peça chama “Brasil Nunca Mais: De Getúlio aos Generais” que ocorrera no Teatro Miguel Falabella.

O ônibus saiu da escola precisamente 18:00 e chegamos no shopping 18:30, sendo que a peça era 20:00. Logo, ficamos 1:30 fazendo merda no shopping. Após ler esse post, você perceberá que a minha definição de “Merda” é a de uma criança completamente sem infância que nunca teve problemas com a polícia.


Bem, o primeiro rolo é o fato de que TODO MUNDO foi de preto. De 40 cabeças, só umas 5 criaturas foram de uma cor sem ser preto, e ainda assim era sempre um verde escuro ou um casaco preto.

Assim que saímos do ônibus, meus olhos se entrelaçam com o do resto do povo e dizemos mentalmente “hoje vai dar merda!”.


Começamos a andar pelo shopping, é incrível como as pessoas se perdem do resto do bando ao andar no shopping. Em menos de 5 minutos as 40 pessoas se transformaram num grupo de apenas 10.

Nos deparamos com o local que futuramente seria o motivo da nossa primeira visita à segurança do shopping, a escada rolante. *música de suspense*


Subimos, descemos. Subimos de novo, e descemos outra vez. E assim ficamos por uns 5 minutos, só que correndo e atropelando as pessoas que estavam subindo e descendo calmamente. Até que um segurança chega pra um dos caras e fala “Hey você de camisa vermelha – ele era o único de camisa vermelha -, vem aqui!” e nós, retardados, fomos junto com o cara de camisa vermelha, menos o Pedro que fingiu que não nos conhecia e foi embora, fdp …


– Como você se chama ? – perguntou o guarda

– Josenildo – respondeu o RENAN


Percebendo o sarcasmo na resposta do “Josenildo” o policial leva na brincadeira e fala:


– Amigo, vocês não podem ficar fazendo isso e aquilo e blá blá blá na escada e blá blá blá.


Então, o Renan fixa o olhar em um ponto qualquer do shopping e grita “OLHA AQUILO ALÍ!” . Quando o guarda olha, instintivamente mais de 20 adolescentes vestidos de preto saíram correndo pelo shopping e gritando feito condenados prestes à morte. Enquanto isso o policial passava o rádio pro resto do shopping que a essa altura já corria atrás de qualquer um com cara de ter entre 13 e 17 anos. Parecia o BOPE invadindo um shopping, eu fiquei felizão.


Nos escondemos no primeiro beco que apareceu – o estacionamento – e esperamos uns 5 minutos até os guardas se cansarem. Enquanto isso armávamos um sagaz plano sobre como nos separarmos dos mais “lentos” do grupo, aqueles que durante uma fuga seriam pegos e acabariam dando com a língua entre os dentes depois de muita tortura. Os lesados deviam ser eliminados. Eu, Renan, Ozama e Eddy bolamos um plano. Cada um ia pra um lado e correria o máximo que pudesse depois de chegar em um certo ponto. Depois de nos livrarmos dos “lesados” nos encontraríamos na loja da Oi. A questão é que só quem conseguiu efetuar corretamente o plano fora eu e o Eddy. Então, após esperarmos alguns minutos, vimos que os incapazes não poriam o plano em prática e partimos para a unidade de alimentação, vulgo praça de alimentação, onde os mais riquinhos estavam lanchando no McDonalds.

– Hey Fernando, tú vai querer essa batata aí ? Hein ? Hein ?? – Eu pergunto meio que obrigando ele a dizer que não.


– Ah, pó fica, brow, eu nem gosto de batata. – disse Fernando com total desleixo de sua parte.


Como alguém consegue não gostar da batata frita do mcdonalds ? TODO MUNDO GOSTA DA BATATA FRITA DO MCDONALDS! Então, ainda bem que ele não gosta, porque eu a comi inteirinha enquanto bebia o milk-shake do Eddy. Batata-frita e Ovomaltine, péssima combinação, mas com fome eu como até … bem, eu como muita coisa.

Após comermos a comida dos outros, e andarmos feito corno, finalmente encontramos o Ozama e o Renan, que não conseguiram se livrar dos lesados deles, e ainda por cima, TINHAM SE ENCONTRADO COM OS NOSSOS LESADOS! Mas já estava na hora da peça e os policiais já estavam cansados.


Assim que entramos no teatro já começamos fazendo besteira. Eu peguei a cadeira E-6, o Eddy pego a E-4 e o Ozama a E-2. Tava na cara que ia dar merda. Começamos a zonear essa parada de “lugar” e sentamos em qualquer lugar mesmo .


Não sei se vocês sabem, mas Getúlio Vargas já está morto.

E durante a encenação de seu funeral, o Ozama faz aquele barulho de peido com a língua baixinho, só para eu e Eddy rirmos. Acontece que o PH escutou, e fez alto, MUITO ALTO, o mesmo barulho. O Teatro inteiro riu, inclusive os atores, o que fez criar uma raiva profunda em um dos deles. Quando as luzes se acenderam – quando alguém morre numa peça se apaga as luzes e deixa-se somente uma luz branca no lugar do corpo – o ator olhou para onde veio o som, e viu que eu e meus amigos estávamos se despencando de rir. Apontou para nós e disse em códigos “hey você, playboyzinho de merda, depois quero falar contigo!”. Como estávamos longe, não se sabia com quem era, mas dava medo assim mesmo.


Durante a peça aconteceu vários acontecimentos marcantes, mas eu só me lembro de três, sendo um deles o descrito acima.

O segundo, foi quando os atores encenavam uma revolução, em que se gritava “Diga não à ditadura”. O Ozama, sempre muito culto e contido, quando escuta aquilo fala pra mim e pro Eddy “Minha pica já tá dura”. Não sei vocês perceberam a ligeira semelhança na sonoridade, mas nós percebemos, e começamos a rir alto, MUITO ALTO, fazendo o teatro inteiro rir de nós rindo.


E o terceiro, porém não menos importante, foi uma revolução nomeada de “estalaçao de dedos” por mim mesmo. Eu, Eddy e Ozama tiramos nossos sapatos, e estalamos os dedos da mão e do pé. TODOS. Um a um. Não sei se vocês já perceberam, mas quando alguém faz isso perto de você, você acaba fazendo também, sem perceber. E isso aconteceu. O teatro inteiro começou a estalar os dedos, de modo em que chegava a doer os ouvidos.


No final da peça, já umas 21:30, estava acabando o jogo “Vasco x Sei-lá-quem”. Fugimos discretamente da visão da professora e fomos rapidamente para o restaurante – cuja televisão era maior que o próprio restaurante – passando o jogo. Eu odeio futebol, mas fui também pra não ficar sozinho. Acabo que eu fui útil, fui o único baixinho o bastante para entrar pela janela e ver que o Vasco ganhara de 1 x 0.

Enquanto voltávamos para a professora, nos deparamos com uma bandinha que tocava ali perto, um cara vestido a lá Roberto Carlos, um gordo que parecia estar dormindo tocando piano, e um cara parecido com o Keith Richards tocando baixo, os 3 cantando clássicos dos anos 60. Eu, meus 2 amigos e uma mulher éramos o único público. A mulher, altamente empolgada, sorria e mandava beijos para o cantor. A questão é que a mulher tinha um bebê nos braços, aí fica a questão, “tá pegando ou só azarando, hein, Roberto Carlos ?!” .


Na volta pra casa, já cansados, porém não menos ativos, fizemos de todo tipo de merda no ônibus. Pedimos para o motorista pôr a tv no canal do jogo, mas o cara tava meio grogue e acabou pondo no MTV Hits, que só tava passando clipe da Rihanna. Nos empolgamos com o momento e começamos a fazer STRIP NO MEIO DO ÔNIBUS ! Chovendo, no ar-condicionado, 3 caras fazendo strip! Lado bom: mostrei minha barriguinha sexy para as menininhas. Lado Ruim: Roubaram minha camisa e só devolveram na hora que saímos do ônibus. Vacilo … Enquanto estávamos sem camisa, decidimos fazer um pouco de le parkour no meio do ônibus, subindo no local de bagagem e trepando de todos os modos possíveis nos bancos – não pense besteira na palavra “trepando”.


Quando saímos do ônibus, entramos na escola rapidamente, só para beber água. Estava escuro. Muito escuro. Imagina toda a sua escola sem iluminação de noite. A escola já dá medo de dia, imagina de noite!

Empolgados com o momento e nossas vestimentas altamente adequadas, corremos feito retardados para o bebedouro, e em seguida pro banheiro. Fizemos algo considerado por alguns algo muito mal, mwahahaha. Havia 2 meninas que também vieram do passeio no banheiro. O banheiro estava escuro, pela falta de luz. Rangemos a porta, e discretamente entramos, para dar um susto nelas.

Acontece que as sem-graça nem se assustaram, e nós saímos da escola desolados …

Cheguei em casa, olhei pra cama, caí e dormi feito um bebê …

Anúncios

5 Responses to “Brasil Nunca Mais: De Getúlio Aos Generais”


  1. 1 COSTELA 19/05/2009 às 2:11 pm

    ÓTIMO POST!!! Muito bom!!!
    Parabéns.

  2. 2 MariaClara 08/08/2009 às 12:54 pm

    hahahahahahahahahaha

  3. 3 pastelnopavao 15/09/2009 às 12:33 am

    CARA, EU RI MUITO PQP

  4. 4 Dani Moro 17/10/2009 às 4:12 am

    MEU, MT BOM ! iuahasiu
    parabéns!!


  1. 1 Pais e Shoppings … « Geek In The Pink Trackback em 14/07/2008 às 3:01 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 653,874 visitas

%d blogueiros gostam disto: