Tropa de Elite

“ O concorrente brasileiro ao Urso de Ouro no Festival de Berlim, “Tropa de Elite”, de José Padilha, exibido anteontem, teve uma recepção da crítica dividida entre amores e ódios. Mais ódios do que amores.

A revista norte-americana “Variety”, que recentemente incluiu Padilha numa restrita lista de dez diretores em quem se deve prestar atenção, foi especialmente dura com o filme.

Em resenha assinada por Jay Weissberg, a “Variety” atribui a “Tropa de Elite” um “estilo Rambo” e sustenta que ele faz “uma monótona celebração da violência gratuita que funciona como um filme de recrutamento de seguidores fascistas”.

Weissberg afirma ainda que, segundo o filme, “só o Bope pode salvar a cidade [do Rio], mas isso requer, antes, a remoção cirúrgica de qualquer coisa que se pareça com um coração”.

Leitores brasileiros da versão online da revista escreveram no site mensagens de protesto e atacaram o autor da crítica.

A “Hollywood Reporter” publicou entrevista e reportagem sobre o filme, com destaque em sua capa da edição de ontem, mas chamou-o de “um filme constrangedor sobre policiais assassinos”.

A crítica afirma que “o pressuposto básico do roteiro escrito por Padilha, Rodrigo Pimentel e Bráulio Mantovani é que todo mundo no Rio é corrupto, especialmente as autoridades”.

A revista inglesa “Screen”, por sua vez, deu ao filme a nota máxima –quatro estrelas, correspondente a “excelente”–, numa crítica farta de elogios.“A montagem corajosa, a incansável câmera na mão e essa espécie de tom quente e realista conhecido desde “Cidade de Deus” e “Amores Brutos” produzem uma mistura que é mais funcional do que inovadora, embora seja eficiente”.

A crítica do jornal francês “Le Monde”, publicada no blog de cinema do diário, acusa o filme de fazer apologia da tortura: “”Tropa de Elite” é feito segundo a receita do neoconservadorismo hollywoodiano –montagem frenética, câmera epiléptica, narrativa que não deixa nenhum espaço à ambivalência. Não é preciso ser hipersensível para ver no filme uma apologia da tortura e das execuções extrajudiciais”, afirma o crítico Thomas Sotinel.

A reação da imprensa alemã foi desigual. O jornal “Berliner Zeitung” avaliou o filme como “excitante e original”, disse que ele apresenta “os diversos lados da questão” e o faz com bom “equilíbrio entre os aspectos ficcional e documental”.Já o “Der Tagesspiegel” disse que, no retrato do “mundo pavoroso e sem lei” que o filme faz, “não há zonas brancas e negras; tudo é escuro”. Os dois jornais, no entanto, ressaltaram que “Tropa de Elite” não é fascista. “E nisso [fascismo], como você sabe, somos especialistas”, comentou o jornalista alemão.

Padilha acredita que os críticos estrangeiros que atribuíram ao filme um caráter fascista foram influenciados por colegas brasileiros que reprovam “Tropa de Elite” desde a sua estréia no Brasil.

Sobre as resenhas publicadas ontem, o diretor afirmou: “Uns nos acharam inteligentes, outros fascistas. Na verdade, não me preocupo com isso”. “

Fonte: FolhaOnline

Temos que levar em consideração, que as pessoas que fizeram essas críticas, não vivenciam tudo que nós brasileiros vivenciamos . O filme é baseado em fatos reais, ou seja, é baseado em algo corriqueiro aqui no Brasil, mas não em outros países .

Pessoalmente, eu mesmo nem gostei do filme, só vi para os amigos pararem de encher a paciência, mas se eu tivesse de fazer uma crítica, ficaria assim:

” O Filme apresenta cenas fortes de ação, cenas corriqueiras nos estados do Brasil . O Filme em si, trata de um assunto muito bom, mas poderia ter-se tirado mais desse assunto . Muita ação, muito tiro, muita morte não me impressiona, o que me impressiona é conteúdo, coisa escassa nesse filme, esse é provavelmente o motivo de seu sucesso estrondoso . “ Nota: 6,5

Anúncios

0 Responses to “Tropa de Elite”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Atualmente:

Música: Canção da Noite
Banda: Fresno
Livro: Sherlock Holmes
Série:
How I Met Your Mother

Destaques

Um rolê em Madureira: 918 e 919 nunca tiveram uma diferença tão grande na minha vida. Essa diferença somado com a insano desejo do destino de me foder, causou uma peripécia de tremer as cuecas.

Ensino Médio deturpando sonhos:

Apesar do Ensino Médio ser repleto de conhecimentos babacas os quais nunca terão a menor utilidade em nossas vidas, ele pode desmentir algumas informações as quais fizeram você acreditar ser verdade por toda sua vida.

Adão era digno de respeito: Além de não precisar usar cuecas e dar a primeira bimbada da história, Adão ainda não precisa viver momentos constrangedores pelo fato de existir outras pessoas no mundo. Porque falamos tanto de Jesus tendo um herói bíblico desses?



Para ler mais dos textos menos piores do blog, clique aqui.

RSS Twitter

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Gostou de um texto?

Mande para o Uêba

Ou pro LinkLog

Ou pro Ocioso.

  • 652,756 visitas

%d blogueiros gostam disto: